Geeks são populares no Japão
21 de Abril, 2021

Geeks populares no Japão, Humanidades populares no Vale do Silício

Por frangonapanela

Nos dois principais sistemas educacionais – japonês e americano – novos vetores de desenvolvimento estão se formando. Além disso, eles são direcionados em direções opostas.

Japão: a praticidade da educação sem teorizações desnecessárias
Departamentos sociais e de humanidades no Japão estão sendo cortados, relata Times Higher Education… O ministro da Educação, Hakubun Shimomura, enviou uma carta a cada uma das 86 universidades nacionais pedindo “medidas ousadas para abolir os estudos sociais e os cursos de humanidades, dando prioridade às indústrias mais alinhadas com as necessidades atuais da sociedade”.

Esta chamada é uma continuação lógica do desenvolvimento da educação profissional prática, recentemente promovida pelo governo japonês. As autoridades expressaram repetidamente a preocupação de que certas áreas educacionais “não aprofundam a pesquisa científica, mas são teóricas demais”. É claro que a crise financeira também afeta o sistema educacional. A taxa de natalidade no país está caindo, o número de alunos está diminuindo, como resultado, muitas universidades funcionam com metade de sua capacidade.

Das 60 universidades nacionais que oferecem cursos nessas disciplinas, 26 confirmaram que estão prontas para cortar suas respectivas áreas. 17 universidades disseram que já limitaram a matrícula de alunos nas ciências humanas e sociais – incluindo direito e economia. Ao mesmo tempo, as universidades de maior prestígio do país, as universidades de Tóquio e Kyoto, declararam seu desacordo com a proposta do ministro e não pretendem ouvi-la.

17 universidades disseram que já limitaram a matrícula de alunos nas ciências humanas e sociais – incluindo direito e economia

Todos devem prestar atenção às novas tendências educacionais, observa Noah Smith da Bloomberg… Os especialistas interpretam essas mudanças como um retorno à educação puramente aplicada, sem visão estratégica e investimento em educação com perspectiva. “Finanças, consultoria, seguros, marketing e outras áreas não produzem bens materiais, mas ajudam a organizar efetivamente os modelos de produção”, observa Noah Smith. Precisamos de engenheiros qualificados e gerentes, estrategistas e sociólogos qualificados. Os riscos financeiros não podem ser avaliados sem financiadores e as questões de propriedade intelectual não podem ser tratadas sem advogados. Assim, somente com o desenvolvimento equilibrado de todas as áreas educacionais é que o desenvolvimento econômico pode ser alcançado.

Sede do Google em Palo Alto, Vale do Silício

EUA: Humanidades são melhores em encontrar pontos em comum com os clientes
George Anders em pesquisa para Forbes descreve uma tendência completamente oposta: o Vale do Silício atrai cada vez mais humanidades e, como resultado, eles acabam na alta administração e gerenciam técnicos.

Os programadores criam um produto que geralmente é muito bem-sucedido, mas os representantes das indústrias humanitária e social são mais capazes de trazê-lo ao mercado e apresentá-lo aos clientes. O nível de desenvolvimento de tecnologia é ultra-alto, mesmo as empresas iniciantes podem criar um produto bacana, então a luta entre serviços, comunicações e preferências começa. Criar uma cultura centrada no cliente em uma empresa é tão importante quanto criar um dispositivo inovador. O desenvolvimento de uma interface intuitiva e amigável também é bom para as humanidades.

De acordo com Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee, da universidade mais bem conceituada do mundo, o Massachusetts Institute, a tecnologia está passando por uma redistribuição: o trabalho de rotina é computadorizado e as pessoas são necessárias para realizar tarefas criativas, buscar soluções pouco óbvias, gerar ideias. Não são apenas os técnicos que podem fazer isso.

Criar uma cultura centrada no cliente em uma empresa é tão importante quanto criar um dispositivo inovador

A rede social profissional LinkedIn tem 62.887 ex-alunos da Northwestern University registrados nos últimos 10 anos. 3426 deles trabalham no Vale do Silício, e apenas 30% são especialistas em TI. O restante segue carreira em áreas não técnicas: marketing (14%), ensino (6%), consultoria (5%), atendimento ao cliente (5%).

Como antes, um diploma de engenharia oferece as maiores oportunidades financeiras no início – um jovem técnico ganha cerca de US $ 30 mil a mais por ano do que um colega de humanidades. Mas, a longo prazo, as habilidades sociais avançadas são tão importantes quanto a competência técnica. De acordo com a pesquisa de Catherine Weinberger, da University of California, profissionais com matemática avançada e habilidades sociais têm mais sucesso do que profissionais altamente especializados. Você pode se lembrar da lenda da tecnologia Steve Jobs, que não era programador e hesitou por muito tempo em qual carreira escolher, porque se interessava tanto por ciências técnicas quanto por literatura.

Na verdade, conclui George Anders, pessoas talentosas sem formação técnica já estão aproveitando com sucesso o boom eletrônico e podem contar com altas posições nas corporações de tecnologia.